O amor

Amor.

Platão, Aristóteles, e outros grandes pensadores da nossa história tentaram definir sua essência, mas ninguém conseguiu fazê-lo com total precisão; talvez porque não há uma definição universal para o amor, é simplesmente algo que sentimos. Já procurou seu significado em um dicionário? – o amor é afeição; afeto; atração entre duas pessoas; entusiasmo ou grande interesse por algo. Entretanto, nem sempre seu significado, na prática, resume-se a isso: é possível sentir afeição ou afeto por alguém sem necessariamente amá-lo, bem como a atração, o entusiasmo e o interesse.

Não é possível dizer exatamente o que é o amor, mas é imensamente fácil senti-lo. Ele tem várias caras, e age em cada pessoa de uma forma diferente. Ele nos enfraquece, nos entristece, nos afoga, nos cega, mas ao mesmo tempo nos fortalece, nos alegra, nos tira a agonia, e faz com que possamos enxergar, mesmo que de forma turva, aquilo que está a nossa frente. O amor nos faz querer ser indispensáveis para o outro; obriga-nos a nos sujeitarmos, de uma maneira ou de outra, aos desejos daquele a quem pertence nossa afeição; muitas vezes nos faz cometer loucuras, sejam elas boas ou ruins; nos faz quebrar obstáculos e desenvolver ambições. Todavia, cada um tem sua forma de amar e por isso não podemos julgar o outro quanto a isso. Antes de fazer a pergunta: que espécie de amor é esse? Lembre-se: o que modifica alguém é o amor que ele mesmo sente, não o amor que outros direcionam a ele; isso vale para todos.

Esse sentimento que ninguém até o momento conseguiu explicar nos faz sonhar, e sonhar muito alto; nos faz aspirar a coisas que estariam em um futuro distante, mas que achamos que está próximo. Como tudo em nossa vida tem seu lado bom e seu lado ruim, quem nunca sofreu por amor? Quem nunca derramou lágrima por uma pessoa amada? Chorar de dor não é legal, mas desde que isso acontece pelo menos uma vez na vida de qualquer um, devemos tentar ao menos aprender com a experiência. Não adianta de nada amar, sofrer, e não aprender com isso: isso faz com que cometamos sempre o mesmo erro e não ajuda no nosso amadurecimento.

Temos maior tendência a machucar aquele que amamos; para estes dizemos o que pensamos. Estes são aqueles que tentamos ajudar mesmo quando ajudaríamos mais se ignorássemos seus problemas. Para os que estão em nosso coração, uma atitude mal-calculada fere mais, pois contrasta com todo o carinho que realmente sentimos por eles. Quando criticamos, o fazemos na intenção de proteger aqueles com quem nos importamos; quando criticados, nos magoamos, pois não gostaríamos que nossa imagem fosse vinculada a imperfeição, aos olhos dos nossos entes-querido. Essa tendência cega a agredir aqueles que tanto queremos por perto é dobrada quando o sentimento é recíproco: cada palavra esconde infinitos sentidos, alguns positivos, outros cruéis; parece que por mais que tentemos usá-las para demonstrar o quanto o outro significa para nós, os massacramos com a importância exagerada que damos a situações simples, mas que, dentro de contextos pessoais, fazem toda a diferença.

Amar não está relacionado a sofrer, entretanto; não é um bicho-de-sete-cabeças; não é necessário experimentar para saber como é; não é preciso ser eterno para ser verdadeiro; não faz ninguém perder noites de sono ou tentar prender junto a si o alvo do seu amor. Ele é tão simples que as pessoas complicam; é tão grande que ninguém compreende; e principalmente: em sua forma mais genuína, é tão puro que é impossível de ser sentido pelo ser humano.

Amar alguém é admirá-lo mesmo conhecendo suas falhas; é venerá-lo ainda quando não há motivos para isso; é estar presente, não nos momentos mais difíceis onde seus sentimentos sejam essenciais, mas naqueles onde o seu amor pareça dispensável; é entrar sempre no mesmo barco, desde que disso dependa aquele por quem você se arrisca.

Algumas vezes podemos machucá-los apenas pelo fato de amá-los. Esse sentimento não segue a razão, e sem a razão nem sempre agimos da forma mais sensata; sufocamos quem queremos para nós, com nossa atenção, proteção e devoção.

Não existe uma definição concreta, infalível e genérica para o ato de amar, e quando nos deparamos com uma máquina tão complexa e engenhosa, nos perdemos em seus circuitos e botões, por não termos um guia de utilização.
E uma colocação minha agora seria: o que mais se sujeita ao amar é a fé. Confiar plenamente em alguém que você sabe que é errante, mesmo quando não tem motivos para isso – pois se submeter a um sentimento tão forte, e se entregar de braços abertos à vulnerabilidade que ele proporciona, mesmo conhecendo os defeitos de quem o estimula a isso, é acreditar em algo que nem mesmo o ser amado pode garantir; isso se chama fé, que está diretamente relacionada à esperança. A esperança, sim, pode ser sinônimo de sofrer, desde que é uma moeda de duas faces, e nem sempre a face que conhecemos é a melhor delas.

Lutamos para não perder quem amamos hoje; lutamos para esquecer aqueles que um dia nos amaram; brigamos com um inimigo invisível quando tentamos suportar a angústia que o amor traz consigo, em circunstancias em que esta faculdade em si não é o bastante para nos tornar felizes.
Talvez esta seja sua definição geral: você pode tentar explicá-lo, impor-lhe regras ou até mesmo evitá-lo, mas a única certeza sobre o amor é que qualquer definição a seu respeito é significação variável e incerta, pois ele é sentido através da emoção, não com a mente.

 

by. GabMarks &  Marlla

_____________________________________________________________________________

O que você acha sobre isso? Responda a enquete relacionada ao assunto do post e descubra o que as pessoas pensam a respeito. Você pode completar sua resposta deixando sua opinião nos comentários.

~ por GabMarks em 15 de dezembro de 2010.

2 Respostas to “O amor”

  1. Ótimo post!, apesar de ser um assunto tão complicado de ser abordado , pela maiorias das pessoas : o amor. Foi abordado , com todas as suas faces! E acho que cada um que ler, vai se identificar,com algo!

  2. mtoo boom (:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: